Um sistema de rede intuitiva busca automatizar processos, trazendo mais eficiência e segurança para a infraestrutura de rede das companhias

Com a popularização da tecnologia, inclusive no ambiente corporativo, surgem demandas para otimizar a troca de informações, armazenamento de dados, entre outras necessidades das empresas. Assim, entra em cena a rede intuitiva, uma infraestrutura de rede que tem como base a integração entre software, hardware e serviço para, por exemplo, antecipar as ações dos usuários, aplicar medidas de segurança e automatizar processos.

Neste cenário, com base nos conceitos de Contexto, Necessidade e Predição, a Cisco desenvolveu a Intent-Based Networking (IBN ou Rede Baseada em Intenção). A partir do recurso de machine learning, a solução visa facilitar principalmente o gerenciamento de dispositivos. Com o devido aprimoramento e inteligência dinâmica, a tecnologia trabalha por meio de APIs que permitem a telemetria, ou seja, o monitoramento em tempo real de dados.

Assim, a rede intuitiva funciona criando redes para cada dispositivo, fazendo com que se integrem em uma grande cadeia de redes. 

E quais exatamente seriam as vantagens desta ferramenta?
Por que esse recurso deve entrar no orçamento das organizações? Confira:

Automatização

Com os dispositivos trabalhando em uma grande cadeia de redes, como falamos, torna-se possível automatizar as ações em diferentes níveis, evitando, por exemplo, problemas por falha humana, como a interação de softwares maliciosos ativados na rede. Assim, a automatização dos processos dá mais liberdade para que a equipe direcione esforços e recursos a pontos mais críticos e estratégicos da rotina de trabalho, reduzindo custos e aumentando a produtividade.

Além disso, a evolução e adaptação da própria rede se dá de forma automática. Após uma função ser adicionada aos processos padrões das operações, é possível treinar a solução para responder automaticamente a determinada interação na próxima vez em que ela ocorrer.

Segurança

A eficiência na segurança da IBN se dá pela contextualização das ações. Ao perceber um novo acesso, por exemplo, o dispositivo é identificado pela própria rede, que executa uma série de políticas específicas para aquela situação. Assim, a cada procedimento, a rede intuitiva vai aprimorando a identificação das intenções de cada conexão e, com o tempo, consegue prever algumas dessas ações, facilitando as tomadas de decisões na eliminação de softwares maliciosos e outros problemas.

Personalização

O administrador configura um estado desejado para a rede, isto é, como ele quer que ela se comporte durante as operações. A partir disso, a tecnologia é treinada para trabalhar sozinha, adaptando-se e desenvolvendo padrões e políticas que manipulam os dados e informações conforme as necessidades da empresa. Esse trabalho é feito com base nos dados coletados pelo própria IBN para monitoramento do funcionamento da rede.

Aplicação da rede intuitiva

A aplicação prática da IBN é abrangente. Um uso comum é o gerenciamento de permissões de acordo com a necessidade do administrador em relação à rede ou aos membros inseridos nela, como, por exemplo, um usuário só poder acessar uma pasta específica da rede em horário comercial, enquanto outro tem livre acesso à mesma pasta, conforme as funções que ele deve desempenhar.

A automatização desse processo traz mais agilidade, evitando o trabalho manual e possíveis falhas para essa seleção. A própria IBN facilita na identificação e execução dessas funções, se assim foi configurado.

Outra utilização, seguindo nesse mesmo recurso de mudança de acesso, é facilitar que o software se proteja de ameaças. Assim que ele identifica a existência de qualquer conexão suspeita, basta cortar o acesso daquela parte da rede. Por isso, cada dispositivo ter autonomia de rede é importante nessa estrutura.

Solução Cisco

A Intent Based Networking System faz parte do pacote Digital Network Architecture (DNA), composto pelo Cisco DNA Center, responsável pelo gerenciamento de redes, análise de dados e feedback de validação das políticas em vigor. Por sua vez, o Catalyst 9000 é um conjunto de switches que busca soluções para Internet das Coisas, nuvem e mobilidade.

Há, também, o Network Data Platform, um repositório que categoriza e correlaciona os dados. Por último, está o Encrypted Traffic Analytics, que serve para identificar vulnerabilidades e malwares sem a necessidade de descriptografá-los para que possa ser feita a quarentena e subsequente eliminação.

Além disso, um dos focos do projeto é o chamado hardware agnóstico, ou seja, que é compatível com qualquer outro hardware, oportunizando, assim, a implementação do serviço, independentemente do tipo de configuração que o usuário dispor. Neste sentido, o conceito de IBN não é a inovação por si só, mas sim todo o pacote de serviços e produtos que a Cisco desenvolveu a partir dessa ideia. Tendo a agilidade e a disponibilidade como principais atrativos, a IBN torna-se a mudança de paradigma para o que é feito hoje em dia.

SOLUÇÕES QUE FAZEM DIFERENÇA PARA SUA EMPRESA

Cisco SD-Access

Ofereça agilidade comercial e escala ao automatizar uma só política em toda a rede de acesso.

Cisco SD-WAN

Conecte com segurança usuários e aplicações, em qualquer lugar, usando a nuvem.

Cisco DNA Security

Identifique ameaças e vulnerabilidades em qualquer local da rede, mesmo quando estiverem escondidas no tráfego criptografado.

Cisco DNA Assurance

Solucione problemas com rapidez e aumente a produtividade de TI com um contexto que oferece informações úteis.

Se o foco da sua empresa é ter uma rede cada vez mais ágil, segura e estar preparada para acompanhar as complexidades e ameaças dos ambientes corporativos: a rede baseada em intenção será sua grande aliada nessa jornada!

Nesse cenário, a InfraTI está preparada para apoiar sua empresa em planejar, especificar, implementar e garantir a performance necessária para seus objetivos de crescimento. Entre em contato!